Mais

Como o monitor de colheita influencia no mapa de produtividade

O monitor de colheita é um dos equipamentos que vêm embarcados nas colhedoras mais modernas e serve para fazer o monitoramento georreferenciado

Mário Bittencourt Mário Bittencourt
Compartilhar isto
colheitadeira monitor de colheita

O mapa de produtividade é essencial para o gerenciamento mais eficiente da produção agrícola, ao indicar com precisão as áreas da lavoura que mais rendem. Ele é gerado a partir das informações obtidas por meio do monitor de colheita e outros equipamentos que trabalham de forma conjunta na coleta de dados sobre a produção.

Muitas colhedoras, hoje em dia, vêm com tecnologias embarcadas que permitem fazer o monitoramento georreferenciado da colheita, mas é preciso saber operar o monitor.

Essa operação requer atenção, conhecimento sobre os equipamentos e cuidados durante a sua execução para que o mapa de produtividade seja gerado. Saiba mais neste artigo!

O que é o monitor de colheita?

O monitor de colheita é um importante equipamento de agricultura de precisão que fornece dados sobre a variabilidade da produtividade agrícola de uma lavoura.

Ou seja, ele mostra o resultado final de todos os manejos realizados, o que é essencial para tomada de decisão por parte do produtor rural na gestão da propriedade.

Por isso, o trabalho com o monitor de colheita deve ser feito da melhor forma possível, a fim de possibilitar que os dados tenham o máximo de qualidade e confiança.

Os dados são coletados com o registro da sua localização pelo receptor GNSS (Sistema de Navegação Global por Satélite), organizados, armazenados e transformados em informação no monitor de colheita.

A frequência de tempo da colheita varia conforme a configuração realizada pelo operador, que define a velocidade da coleta. Desta forma, tem-se uma distância de deslocamento.

A partir destas informações e da largura da plataforma, é feito um desenho retângulo, o que possibilita a área ser calculada, ao multiplicar-se o deslocamento (m) pela largura (m).

No próprio equipamento é feita a conversão do fluxo de massa para peso: mede-se a massa específica ou a densidade absoluta do produto colhido em kg/m3 ou t/m3.

Após a verificação do peso pelo sensor do fluxo de balança, é informado o valor para o monitor de colheita, onde ocorre a conversão para kg/ha ou t/ha.

Cada ponto de coleta é registrado pelo GNSS e é atribuído um valor coletado em cada sensor da colhedora.

O monitor processa os dados com uma cor para cada faixa de produtividade medida e configurada, o que gera o mapa de colheita. Os dados podem ser salvos em cartão de memória ou pen drive e analisados em um computador.

mapa de produtividade de colheita

Mapa de colheita mostra a variabilidade na lavoura (Reprodução: Sistema Faeg)

Funções do monitor de colheita

Geralmente, as funções do monitor de colheita são compostas por:

  • botões de acesso;
  • botões de rolamento;
  • tela de toque;

Para iniciar o trabalho no monitor, é necessário seguir estas etapas:

  • inserir nome do operador;
  • nome do trabalho (tarefa);
  • nome da propriedade;
  • identificar o talhão;
  • identificar a cultura;
  • informar a operação (colheita);
  • informar a largura da plataforma;

Caso você queira reiniciar um trabalho, é só selecionar as informações do trabalho anterior (nome do operador e nome do trabalho ou tarefa) e colocar as demais informações.

Calibragem do monitor de colheita

Na maioria das marcas, o monitor de colheita deve ser calibrado no ponto zero.

Siga estes passos:

  • ligue o sistema de trilha da colhedora;
  • ligue a plataforma e abaixe-a na altura de colheita;
  • acelere o motor na rotação de trabalho;
  • aguarde 30 segundos até o ponto zero se igualar ao número do contador;
  • aperte a tecla “atualizar”.

Componentes do sistema de monitoramento de colheita

Conhecer os equipamentos para o mapeamento da colheita é essencial para o operador da colhedora, que possui sensores capazes de ler informações de produtividade e umidade.

Os equipamentos básicos para obtenção de dados da colheita são os seguintes:

  • sensor de umidade;
  • sensor de fluxo de massa (grãos);
  • receptor GNSS;
  • monitor de colheita interface com o operador;
  • sensor de altura da plataforma;
  • sensor de velocidade da roda;
  • sensor de rotação de elevador de grãos

componentes de uma colhedora

Alguns desses equipamentos precisam também ser calibrados.

As calibragens são essenciais para a geração de um mapa de produtividade com dados confiáveis e de qualidade. Veja abaixo como isso deve ser feito.

Calibragem do sensor de umidade

Este equipamento mede a umidade dos grãos, enquanto eles estão passando, por meio do sensor de capacitância – quanto maior o teor de umidade, maior a capacitância.

A calibragem do sensor de umidade deve ser feita com o tanque vazio. Apesar de variar conforme o modelo do equipamento, de forma geral ela é feita dessa forma:

  • zere a informação do monitor de rendimento;
  • colha uma quantidade e verifique a indicação de umidade no monitor;
  • recolha uma amostra de grãos e determine a umidade real;
  • informe o valor da umidade real;
  • habilite o alarme de umidade;
  • estabeleça o nível de umidade máxima e de grão seco (mínima) – quando o valor da umidade estiver acima do valor máximo o monitor emitirá um aviso sonoro.

Atenção para estes cuidados:

  • nunca desabilite o alarme de umidade máxima;
  • o valor de umidade máxima deve ser maior que a umidade real, porém nunca muito acima;
  • quando o alarme soar, verifique se o sensor está sujo ou se outro fator está interferindo no sistema

Calibragem da altura da plataforma

A altura da plataforma varia de acordo com o tipo de cultura a ser colhida. Esta informação é dada no campo apropriado do sistema de monitoramento (localização depende do monitor).

Calibre do sensor de fluxo de massa

Eles devem ser calibrados de modo a alcançar o peso preciso dos grãos e sempre que um novo trabalho é iniciado, devendo ser observado as condições de maturação e tipo de cultura. Siga estes passos:

  1. esvazie o tanque de grãos;
  2. acesse o menu calibração;
  3. zere o peso do monitor de rendimento;
  4. colha um tanque;
  5. para o registro de peso;
  6. pese o tanque colhido em uma balança;
  7. informe o valor colhido

Cuidados:

  • a calibração deve ser feita periodicamente para evitar erros no mapa de produtividade;
  • se o monitor informar um peso diferente do peso real, repita a operação de calibragem

Importante também marcar os pontos de interferência da produtividade.

Alguns modelos de monitores permitem que essas interferências sejam marcadas neles mesmos, mas sempre consulte o manual de instruções antes de fazer isto.

As interferências são de vários tipos: formigueiros, buracos, reboleiras com pragas no solo, falhas no plantio, manchas de fertilidade do solo, carreadores, manchas com doenças ou plantas daninhas.

Conclusão

O monitor de colheita e os equipamentos que compõem o sistema de monitoramento devem estar sempre em bom estado de uso para a obtenção de dados de qualidade.

As calibrações citadas acima são gerais. A depender do tipo de equipamento e modelo, podem ser necessárias outras calibrações e formas diferentes de fazê-las.

Por isso, o ideal é sempre seguir o manual do fabricante. Agindo dessa forma, você conseguirá obter mapas de produtividade com dados reais sobre a sua lavoura.

Mário Bittencourt Mário Bittencourt
Jornalista, especializado no setor do agronegócio e pós-graduado em Agricultura de Precisão.
Publicado em .

Produtos recomendados

Leia também

Assine nossa Newsletter

Receba artigos, dicas e conteúdos de qualidade gratuitos sobre agronegócio e produtividade!

Siga a Agrobill nas redes sociais

 Instagram 

Deixe uma resposta